Corindo Castanho BFA – similares mas não comparáveis

2 min. leitura
As diferenças que influenciam o seu processo!

São inúmeras as aplicações possíveis para o corindo castanho, também denominado óxido de alumínio castanho. As mais habituais são a preparação de superfícies por jateamento, refratários, cerâmica e abrasivos rígidos como lixas, mós, rebolos, discos de corte e rebarbar.

Existem diversas qualidades de corindo castanho disponíveis no mercado, que se podem adequar a cada uma das mencionadas aplicações, assim como às diferentes exigências de qualidade.

Com processos produtivos “similares”, o principal fator diferenciador e que influenciará a “qualidade” do produto é o tempo de “fusão” da bauxite, o que também influenciará o custo do próprio produto, pela elevada quantidade de energia necessária ao processo produtivo.


Com maior tempo de “fusão”, o corindo castanho ganha maior densidade, assim como resistência, dureza e durabilidade.

Com menor tempo de fusão encontramos maior percentagem de impurezas como SiO2 e Fe2O3, o que reduz a referida resistência, dureza e durabilidade. 

No processo de jateamento, é frequente encontrar diferentes qualidades de corindo, desde a “First Grade Quality” com uma pureza superior a 95%, até referências com óxido de alumínio de 80% ou inferiores.

Existem ainda referências com uma elevada percentagem de óxido de alumínio (>97%), denominadas semi-friáveis que podem ser adequadas a processos de deposição electroestática dos grãos ou a refratários, mas não são adequadas ao processo de jateamento nomeadamente pelo baixo teor de TiO2 que influencia a dureza do corindo.

Sendo possível a utilização de qualquer destas qualidades no processo de jateamento, é, no entanto, certo a existência de significativas diferenças de desempenho entre as diferentes referências. 

Estas diferenças podem ser mais ou menos percetíveis aos utilizadores, considerando a exigência do trabalho a realizar, assim como as condições de aplicação, nomeadamente a pressão de trabalho e o sistema de recirculação e aspiração.

Sendo um abrasivo reciclável, pretende-se obter a maior durabilidade possível, com a menor contaminação das peças a tratar. Para o efeito o corindo deve ter uma boa densidade e uma baixa percentagem de impurezas na sua composição, que influenciam não só a pureza das superfícies tratadas, mas também a durabilidade do próprio abrasivo.

A BLASQEM tem uma longa experiência acumulada, assim como os nossos parceiros europeus, que desde sempre são uma referência nesta aplicação. 

Para processos de jateamento é consensualmente aceite pelos maiores distribuidores, considerando as referências incluídas nas suas gamas de distribuição, que a “First Grade Quality”, com uma pureza superior a 95% e uma baixa percentagem de contaminantes ( SiO2 < 1,5% e Fe2O3 < 0,15%) permite um melhor rendimento numa operação de jateamento com corindo castanho.

Apesar das denominadas referências de “second grade”, com uma pureza inferior a 95%, terem um preço menor, não são aquelas que permitem a otimização dos processos de jateamento.

Contacte-nos para mais informações.